Tri Campeonato histórico para os leões



O Sporting escreveu hoje mais uma página na sua historia da modalidade, conseguindo o seu primeiro tri-campeonato (no modelo de playoff), igualando o feito (entre 2006 e 2009) do rival que bateu nesta final. É o 7o campeonato em nove anos para os leões e Nuno Dias aumenta ainda mais o seu curriculum que já é o do treinador mais titulado em Portugal, desta feita na tribuna por castigo e com Paulo Luís o seu fiel adjunto a liderar no banco.

Com mais este titulo, o Sporting, aumenta também o fosso na modalidade, agora com 15 títulos, contra os 7 do seu eterno rival. Destaque para este plantel campeão, que na próxima época terá bastantes mudanças (ainda hoje Diogo se despediu nas redes sociais) e mesmo assim ao longo dos 5 jogos das finais mostraram o desejo e ambição para o feito que hoje foi alcançado. 

A 5a partida não foi excepção nesta final, com o equilíbrio a ser a nota dominante e mais uma vez uma cambalhota no marcador que acabou por ditar o tri-campeonato para o Sporting, nos penaltis com Gonçalo Portugal a defender mais 2 para somar aos 2 do jogo anterior, notável.

Ao contrário dos jogos anteriores, não se viu um ritmo frenético nos primeiros 20 minutos. As equipas respeitaram-se bastante e conta-se pelos dedos de uma mão os lances de efectivo perigo de golo.

O Benfica foi mais rematador e teve a melhor oportunidade da etapa inicial, com Raul Campos isolado (e Deives a pedir a bola ao segundo poste), a permitir corajosa defesa de André Sousa.

O Sporting tentava o seu tradicional jogo de pivô, mas desta feita bem anulado defensivamente pelos encarnados. Os leões nunca colocaram verdadeiramente as redes dos visitantes em perigo, que neste jogo 5 foram pela primeira vez defendidas por Roncaglio. E com o nulo se chegou ao intervalo

Na primeira metade do segundo tempo,  o desiquílibrio de Robinho fez a diferença e permitiu que o Benfica chegasse ao 0-2. O ala brasileiro esteve no inicio dos dois golos, primeiro com um passe em volei que Fernadinho serviu Raul Campos ao segundo poste a finalizar e depois a libertar-se do seu opositor, abrindo caminho para o passe de Henmi para o segundo de Fernandinho à boca da baliza.

Mas tal como nos outros jogos da final, a equipa que estava a perder reagiu e anulou a desvantagem. O Sporting forçou o jogo de pivô e no espaço de 1 minuto podia ter chegado ao empate. Primeiro foi Cardinal que depois de deitar André Coelho, viu o seu remate defendido e na recarga Pany reduziu para 1-2.

No minuto seguinte foi a vez de André Sousa rematar para defesa incompleta e na recarga Fortino remata para aquele que seria o empate, mas Roncaglio oferece a cara à bola e adia o empate. O empate acabaria mesmo por chegar a 4 minutos do final, num livre em posição frontal. Merlim serve Fortino que poe a bola no angulo sem hipótese de defesa.

Até final destaque para o ultimo minuto de 5 para 4 do Benfica, mas que não causou grande perigo.

 O prolongamento começa com mais uma grande jogada individual de Cardinal, desta feita a passar por Cecílo e a rematar para grande defesa do guarda-redes encarnado.

Mas foi o 5 para 4 dos visitantes que voltou a fazer a diferença e mais uma vez com destaque para Fernandinho. O pivô brasileiro que foi indiscutivelmente o jogador do benfica com mais aproveitamento nas finais, voltou a aparecer sozinho ao segundo poste e recolocou o Benfica em vantagem ainda na primeira parte do prolongamento.

5 para 4 de um lado, e depois o mesmo do outro lado... com o mesmo resultado... golo para quem arriscou. O Sporting entrou na segunda parte com Merlim vestido com equipamento de GR, que trabalhou bem para remate de Diogo e Fortino a voltar a empatar.

Até final foram os encarnados a apostar no 5 para 4 mas na realidade quase deitaram tudo a perder, com Robinho a colocar a bola nos pés de Fortino para a última oportunidade sem sucesso.

2017/2018 ficará na história como um ano de finais de enorme nível. O 5o jogo voltou a ser de elevadíssimo nível e o campeão saiu ainda mais valorizado tal o equilíbrio entre as duas equipas. Quis o destino que a decisão fosse da marca das grandes penalidades e aí se decidiu todo o trabalho de uma época. Gonçalo Portugal voltou a ser o heroi (tal como no jogo 4), defendeu o primeiro de Deives e o segundo de Bruno Coelho, dando o Tri aos seus colegas que sofriam e tapavam os olhos a cada remate dos 6 metros.

Nota final para os marcadores dos penalties do Sporting. Fortino e Diogo, ambos de saída, pela porta grande. Mas tal como referimos no início da crónica o destaque tem de ser o colectivo, capitão e treinador na tribuna, vários jogadores de saída, ausentes por castigo e jogo 4 e 5 decididos nos penalties em que Gonçalo Portugal não sofreu nenhum.


Vídeos
Sangue do Mar - Reportagem do Canal 11 sobre o Caxinas
Os melhores golos da Jornada 17 da Liga Placard de Futsal
Júnior em entrevista para o Canal 11 da FPF
Carlinhos e Lúcio em entrevista para o Canal 11 da FPF
Mafalda Ferreira marcou o primeiro golo da história da 2ª Divisão Nacional
Os melhores golos da jornada 16 da Liga Placard Futsal
Os melhores golos da Jornada 15 da Liga Placard
Os melhores golos da Jornada 13 da Liga Placard Futsal
Fins de semana de 12-13 e 19-20 de dezembro com proibição de circulação na via pública a partir das 13h
Os Melhores golos da Jornada 12
Ficha técnica | Lei da transparência | Estatuto Editorial Politica Privacidade