João Almeida e Rubén Guerreiro foram "reis" no Giro



João Almeida foi quarto na geral na Volta a Itália e foi líder durante duas semanas. Rubén Guerreiro «orgulhoso» com a camisola azul: «Foi um Giro tão difícil»

João Almeida acabou o Giro de Itália no quarto lugar final, depois de ter liderado a prova durante duas semanas. No final, o ciclista português disse que espera «um dia voltar a vestir a camisola rosa», cor atribuída para o líder da geral. 
«Até ao final, era preciso lutar e sofrer. Foi um dia duro, com 15 quilómetros a ‘top’. Estou muito feliz», atirou, em declarações aos jornalistas e citado pela Lusa após a 21.ª e última etapa, um contrarrelógio até Milão, 
Nesta derradeira tirada, o português de 22 anos, que liderou a corrida durante 15 dias, logrou ultrapassar o espanhol Pello Bilbao (Bahrain-McLaren) no quarto lugar, conseguindo o melhor resultado de sempre de Portugal na Volta a Itália, superando o quinto posto de José Azevedo em 2001.
«O meu objetivo era o ‘top 10’ e já era muito ambicioso. Terminar em quarto é um sonho. Estou muito grato a toda a minha equipa pelo que fizeram, ‘staff’, colegas de equipa, tudo», acrescentou.
«Quinze dias de rosa é uma coisa impressionante e espero um dia voltar a vestir a camisola», confessou.
Para o futuro, João Almeida pretende continuar a «lutar pela geral» em grandes Voltase classificou o quarto lugar como «um bom feito» alcançado.
«É bom levar a bandeira portuguesa numa grande Volta, e é impressionante estar à altura do José Azevedo», concluiu.

  
Ruben Guerreiro assumiu que vencer a classificação da montanha da Volta a Itália, que terminou este domingo em Milão, é «uma grande motivação» para continuar a evoluir.
«Foi um Giro tão difícil... Não tenho mais força. Consegui acabar. Ontem [sábado], desfrutei da etapa, com os homens da geral. Desfrutei destas três semanas, que foram um grande esforço da organização, a quem agradeço. Foi uma ótima corrida», explicou o ciclista português, após subir ao pódio.
Aos 26 anos, Guerreiro venceu uma etapa, quebrando um jejum de 31 anos sem vitórias portuguesas na «corsa rosa», e tornou-se no primeiro português a vencer uma das quatro classificações principais de uma grande Volta.
«A equipa fez um Giro muito bom, com duas vitórias em etapas e a maglia azzurra. É uma grande motivação para mim ter ganho», atirou.
Questionado pelos jornalistas sobre a possibilidade de voltar à prova, mas para disputar a camisola rosa, o português resguardou-se e disse apenas que «é difícil dizer».
«No ciclismo nunca se sabe. Tenho-me sentido melhor e mais forte com o passar dos anos, ainda não sou velho. Um dia, quem sabe? Agora, é desfrutar deste dia e depois preparar a próxima temporada», comentou.
Amigo de há vários anos do vencedor da geral final, o britânico Tao Geoghegan Hart, Guerreiro revelou ainda que lhe tinha dito «que ia ter o momento dele na terceira semana», até porque o escocês ficou «feliz» quando Ruben venceu em Roccaraso, na nona etapa.
«Queria ter visto também o João [Almeida, quarto na geral final] no pódio... Mas ambos os meus amigos fizeram uma grande corrida, e estou orgulhoso deles», afirmou.

A 103.ª edição da Volta a Itália em bicicleta terminou hoje, com a vitória do britânico Tao Geoghegan Hart (INEOS), após a conclusão do contrarrelógio individual da 21.ª etapa, em Milão.

artigo: Redação Maisfutebol
foto:fpf


Vídeos
Reportagem Sic | "Fora de Jogo"
Antevisão do Sporting - Benfica em Futsal, por Nuno Dias e Joel Rocha, no canal 11 da FPF | VÍDEO
Jogador português de dardos José de Sousa conquista Grand Slam 202 | VÍDEO
Os melhores golos da Jornada 9 da Liga Placard Futsal
Diálogo hilariante entre o jornalista da Liga Amadora TV e Cardinal, jogador de futsal do Boavista B.
Os melhores golos da Jornada 8
Os melhores golos da Jornada 7 da Liga Placard
Os melhores golos da Jornada 5 da Liga Placard de Futsal
Os melhores golos da Jornada 4 da Liga Placard Futsal
Os melhores golos da Jornada 3 da Liga Placard
Ficha técnica | Lei da transparência | Estatuto Editorial Politica Privacidade