A Liga Nacional de Futsal solicitou ao Conselho Superior de Desporto uma classificação que, em Espanha, apenas a LaLiga e a ACB o fizeram.

A Lnfs considera que adquiriu relevância económica, por isso pede para ser reconhecido como uma liga profissional e quer ser reconhecido como uma liga desportiva profissional.

O conselho de administração da Liga Nacional de Futsal aprovou por unanimidade a solicitação dessa qualificação ao Conselho Superior de Desportos (CSD), que em Espanha só possui a LaLiga e ACB. A liga considera que "atende amplamente aos requisitos para obter esse reconhecimento".

Os clubes da LNFS afirmam ter uma relação de trabalho com seus atletas e equipas técnicas e que a competição tem importância e dimensão económica, que são os dois requisitos exigidos pela Lei do Desporto de 1990 para qualificar um torneio como uma liga profissional. "A Lnfs garantiu que a competição adquirisse grande relevância económica, após a venda de direitos audiovisuais às partidas da competição até a temporada 2022-2023", anunciou a entidade.
A associação de clubes de futsal defende que este contrato garanta uma renda superior a um milhão de euros por temporada e um retorno da mídia que varia, dependendo do clube, entre três e trinta milhões de euros, segundo a Kantar Media. "Para isso, devemos acrescentar também a receita da venda internacional de direitos de televisão e os acordos de patrocínio que mantém com a Joma, LaLigaSports, Futbar, RehabMedic, BeSoccer e Sierra de Cazorla", defendeu a LNFS.

A competição afirma que aspira a encontrar o seu reconhecimento como uma competição profissional, com “as obrigações e direitos que isso implica”. Entre eles, pode ser o requisito de que os clubes participantes se tornem empresas desportivas (SAD), como acontece com as equipas da Segunda Divisão B que ascendem à LaLiga SmartBank ou LEB Oro que promovem a Liga Endesa. Os únicos clubes que não atendem a essa condição são o FC Barcelona, ​​o Real Madrid e o CA Osasuna. 

Embora o projecto de lei da Lei do Desporto apresentado em fevereiro de 2019 propusesse eliminar a obrigação de se tornar uma SAD para competir em nível profissional, esse projecto permaneceu em espera e a Lei, no momento, não foi adiante. Isso significa que, desde 2018, o capital mínimo que uma equipa de futebol deve aumentar para ser um SAD e passar da Segunda Divisão B para o SmartBank é de 3,25 milhões de euros. No caso do ACB, o valor é superior a 1,8 milhões de euros.

Vídeos
Joaçaba é campeão da Recopa SC Krona
Resumo da Final entre o Movistar Inter e o Valdepeñas
Dividir Para Evoluir | Irene Samper, AD Alcorcon e Seleção Espanhola
#FicaEmCasaComFutsal - Jorge Braz - 01/05/2020
#FicaEmCasaComFutsal - Marcos Antunes - 30/04/2020
#FicaEmCasaComFutsal - Carlos M Silva - 29/04/2020
#FicaEmCasaComFutsal - Jorge Silvério - 28/04/2020
#FicaEmCasaComFutsal - João Nuno Ribeiro - 27/04/2020
Dividir Para Evoluir | Renatinha, Real Statte e Seleção Italiana
Dividir Para Evoluir | Mayte Mateo, STV Roldan e Seleção Espanhola
Ficha técnica | Lei da transparência | Estatuto Editorial Politica Privacidade